LOGO clara   HUMANAMENTE  |  PSICOLOGIA, PSICANÁLISE & FILOSOFIA

TEXTO COMPLEMENTAR

 

Segundo Descartes, a mente se comunica com o corpo físico através da glândula pineal, mas a mente não é um elemento material, ela é livre, por isso ela pode inibir ou modificar os comportamentos reflexivos que surgem como respostas mecânicas ao estímulo ambiental. Ainda segundo o filósofo, as emoções estão relacionadas à quantidade de espíritos animais envolvidos em uma resposta, ou seja, quanto mais espíritos animais o cérebro libera em uma resposta, mais forte é a emoção.

As emoções são vivenciadas conscientemente como paixões (amor, ódio, desejo, alegria, tristeza etc.), mas a vontade (uma faculdade da mente) pode e deve controlar as paixões para que a conduta do indivíduo seja virtuosa. Por exemplo, se a raiva surge num momento em que o comportamento raivoso é apropriado, a mente permitirá ou até facilitará esse comportamento; entretanto, se o comportamento raivoso parece inapropriado, a mente tentará inibi-lo.

Nos casos em que as paixões ou emoções sejam muito intensas, a vontade pode ser incapaz de inibir o comportamento reflexivo, logo, a pessoa se comportará irracionalmente. Nessas situações, o corpo predomina em relação à mente.

 

Descartes e a Psicologia

 

Descartes tentou desenvolver uma explicação puramente mecanicista de grande parte dos comportamentos e das funções corporais humanas. Sua análise mecanicista do comportamento reflexivo pode ser vista como o início do que mais tarde viria a se desenvolver como psicologia comportamental (behaviorismo). Por outro lado, ele também deu especial atenção ao cérebro (e todo o sistema nervoso) como um mediador importante do comportamento, o que lançou as sementes do que seriam as futuras pesquisas no campo da neuropsicologia.

Também é digno de nota o foco da teoria cartesiana em relação à experiência puramente subjetiva, pavimentando o caminho para o estudo científico da consciência. Boa parte de seu trabalho discute o conflito entre o comportamento animal e o humano, o comportamento irracional e o racional, precisamente o tipo de conflito que Freud estudaria mais tarde em um arcabouço mais elaborado. Por fim, sua ênfase no uso da introspecção como recurso para se chegar a ideias claras e nítidas o coloca como um percursor da fenomenologia.

--------------------------------------

Obras sugeridas:

“A Conceptual History of Psychology”, de John D. Greenwood.

“An Introduction to the History of Psychology”, ed. 7, de B. Hergenhahn e T. Henley.

Apenas usuários cadastrados podem comentar
2 Comentários | Deixe o seu comentário
  • Lady Gaga

    great

    Curtir 0
  • Dario Felipe

    Um pensamento precisa de um pensador!

    Curtir 0

LOGO

SOBRE O SITE  |  FALE CONOSCO

Copyright© 2016 - 2018 - Todos os direitos reservados.

The Best Bookmaker Betfair Review betfair cvisit from here.